18 junho 2017

Harry Styles Book TAG



  1. Carolina: Um livro que tenha um casal que você shippou desde o começo
  1. From the Dining Table: Um livro melancólico a ponto de te deixar triste
  1. Two Ghosts: Um casal literário que você nunca vai superar, independente deles terem terminado juntos ou não
  1. Woman: Um livro que tenha muita representatividade feminina
  1. Sign Of The Times: Um livro que seja o primeiro do autor/autora e você já se apaixonou pela escrita
  1. Only Angel: Uma personagem porra louca que você ama
  1. Sweet Creature: Um autor ou autora que você sempre volta a ler quando quer sair da ressaca literária


 Até o próximo post!

13 junho 2017

Resenha: Ladrões de Sonhos

Sinopse: "Ladrões de sonhos, o segundo volume da Saga dos Corvos, traz de volta a imaginação selvagem e as reviravoltas eletrizantes que somente uma autora original como Maggie Stiefvater é capaz de criar.

Ao lado de Blue, os garotos corvos — o privilegiado Gansey, o torturado Adam, o espectral Noah e o sombrio e perigoso Ronan — continuam sua busca pelo lendário rei galês Glendower. Mas suas explorações enfrentam um duro contratempo conforme segredos, sonhos e pesadelos começam a enfraquecer a linha ley — um canal invisível de energia que conecta lugares sagrados e que pode levá-los até o rei.
Será por isso que a floresta mística de Cabeswater sumiu inexplicavelmente? Quem é o misterioso Homem Cinzento e por que ele está procurando o Greywaren, uma relíquia que permite tirar objetos de sonhos? E o que isso tem a ver com o indecifrável Ronan?
Conforme Blue e os garotos corvos procuram respostas a essas e outras questões, o perigo que os envolve se torna cada vez mais real, e será preciso apostar todas as fichas nessa aventura enigmática."

Eu demorei três anos para ler o segundo livro da Saga dos Corvos da Maggie Stiefvater, por dois motivos, o primeiro dele são os preços desses livros que estão um pouco salgado e segundo porque não havia gostado muito do primeiro livro "Os Garotos Corvos". Mas por que eu não gostei do livro anterior? Acho que o principal motivo é a maldição do primeiro livro de fantasia, em que todo aquele universo tem que ser explicado e esse universo em especial era muito complexo para mim, então não peguei a magia da história e só fui me envolver com a história no final.

Depois de uma leitura bem fraca no primeiro livro, finalmente o estranhamento passou e eu consegui me encantar pela história da Saga dos Corvos, graças ao incrível "Ladrões de Sonhos" que me fez reviver a delícia de se ler um livro da Maggie Stiefvater. A autora consegue criar uma história diferente de tudo que a gente está acostumado no mundo dos young adults de fantasia, temos ali algo muito novo e tão mágico que é impossível não se encantar pelo universo. Neste segundo livro os mistérios envolvendo as linhas ley, Cabeswater e Glendower começam a fazer mais sentido. 

É preciso sempre exaltar as personagens dessa saga, que são bem diversas e cheias de camadas. E se na minha resenha anterior disse que gostei muito da Blue e do Gansey, nesse livro tudo foi confirmado e já torço desesperadamente por esse casal. Porém nesse livro passei a gostar de alguns outros personagens como Ronan Lynch, que ser maravilhoso, com uma história fantástica. Esses três me chamam a atenção, porém todos são incríveis, cheios de camadas e com personalidades tão diferentes um dos outros.

"Ladrões de Sonhos" revela muita coisa, porém temos ainda muitas pontas soltas na história, mas a autora já conseguiu me envolver com a trama de Henrietta, fazendo com que eu deseje ardentemente ler os próximos livros. Como é bom ver que Maggie Stiefvater nunca decepciona.

Até o próximo post!


05 junho 2017

Resenha: Antes que eu vá

Sinopse: "Samantha Kingston tem tudo: o namorado mais cobiçado do universo, três amigas fantásticas e todos os privilégios no colégio que frequenta: desde a melhor mesa do refeitório à vaga mais bem-posicionada do estacionamento. Aquela sexta-feira, 12 de fevereiro, que seria apenas mais um dia de sua vida mágica e perfeita, acaba sendo seu último — mas ela ganha uma segunda chance. Sete “segundas chances”, na verdade. Ao reviver aquele dia vezes seguidas, Samantha vai tentar desvendar o mistério que envolve a própria morte – e, finalmente, descobrir o verdadeiro valor de tudo o que está prestes a perder."

Sempre via "Antes que eu vá" a venda na livrarias e nunca me interessei, até porque a capa anterior era bem aterrorizante (julgo livro pela capa sim), mas quando saiu o primeiro filme da adaptação para o cinema fiquei bem interessada pela história da garota que sofre um acidente de carro e fica revivendo aquele dia, para poder entender o que fez de errado e o que precisa dar valor. Porém eu não esperava me incomodar tanto com um livro.

A primeira coisa que você precisa saber sobre "Antes que eu vá" é que é um livro sobre bullying, porém a personagem principal não é quem sofre com as "brincadeiras" e "implicâncias", ela é a causadora disso. Então já é de se esperar que ela não seja muito legal, afinal ela zomba, mau trata, aproveita e humilha as pessoas que não são tão populares. A garota aina é rodeada por amigas que deixariam Regina George e as poderosas no chinelo, com toda sua crueldade.  E isso foi um dos principais motivos de me irritar com esse livro, porque não me identificava com aquelas personagens, achava elas fúteis e não me importava com o que ia acontecer com cada uma. Porque autora tentando justificar as ações, aquelas garotas eram terríveis e sem nenhum motivo verdadeiro.

O livro vai mostrando as sete segundas chances de Samantha e em cada uma das vezes ela age de uma determinada maneira, mas pra mim no fundo ela sempre foi egoísta. Até mesmo quando ela resolve fazer o que era certo, ela resolve ficar com o cara incrível e perdoar as amigas babacas. E pra mim ela não se redimiu, ela causou tudo aquilo, junto com suas amigas bully. Claro que o livro  não é de todo ruim e durante uma de suas segundas chances você percebe que a Samantha se esforça para melhorar e se torna muito mais interessante, infelizmente isso acontece nas 50 últimas páginas, ou seja, pra mim a leitura foi em grande parte irritante.

Mesmo não tendo gostado de "Antes que eu vá" tem alguns pontos que me interessaram bastante como a lição de que muitas vezes você é conivente com situações ruins, simplesmente para não se tornar alvo, ou de que devemos dar valor as pessoas que nos amam e deixar de lado as aparências. Teve também três personagens que me conquistaram por serem Anna Cartullo, Kent e Izzy que não tem vergonha de quem são e dão de mil em Samantha e suas amiguinhas.

Infelizmente esse livro não funcionou pra mim, pode ser porque já fui alvo de bullying e não consigo sentir pena de quem expõe outras pessoas a humilhações, simplesmente porque é popular e o outro é diferente. Mas pode ser que funcione para você.

Até o próximo post!

31 maio 2017

Resenha: Memórias de uma Gueixa

Sinopse: "Olhos cinza-azulados. Muita água em sua personalidade, é o que diz a tradição japonesa. A água que sempre encontra fendas onde se infiltrar, cujo destino não pode ser detido. Assim é Sayuri, uma das gueixas mais famosas de Gion, o principal distrito dessa arte milenar em Kioto. Com um olhar, ela é capaz de seduzir. Com uma dança, ela deixa os homens a seus pés. O que ninguém sabe é que, por trás da gueixa de sucesso, há um passado de perdas e desilusões de uma mulher que, desde o dia em que o pai a vendeu como escrava, fez cada uma de suas escolhas motivada pelo amor ao único homem que lhe estendeu a mão. Neste livro acompanhamos sua transformação enquanto ela deixa para trás a infância no vilarejo pobre e aprende a rigorosa arte de ser uma gueixa: dança e música, quimonos e maquiagens; como servir o chá de modo a revelar apenas um vislumbre da parte interna do pulso; como sobreviver num mundo onde o que conta são as aparências, onde a virgindade de uma menina é leiloada, onde o amor é considerado uma ilusão. Já idosa, vivendo nos Estados Unidos, ela narra suas memórias com a sabedoria de quem teve uma vida longa e o lirismo de quem soube encontrar nela seu lado mais doce. Neste relato único, que reúne romance, erotismo e, muitas vezes, a dura realidade, Arthur Golden desenvolve uma escrita refinada e dá voz a uma personagem instigante e humana que conquistou milhões de leitores em todo o mundo."

O que são as gueixas? Artistas, prostitutas, amantes? Tudo isso é um mistério para grande parte dos ocidentais, ninguém entende muito bem o que são aquelas mulheres em quimonos luxuosos e maquiadas de forma tão artística. E em "Memórias de uma Gueixa", Arthur Golden nos apresenta esse universo através das memórias de Sayuri.

Sayuri não existiu de verdade, mas a introdução do livros cria a atmosfera de que tudo que será narrado neste livro será real. Começamos acompanhando a gueixa quando ela ainda era criança, morava com o pai pescador em uma vila e se chamava Chiyo até os dias atuais em que ela é uma famosa gueixa.

Sayuri desde sempre é sonhadora e sempre é enganada e levada por caminhos diferentes dos que ela quer, E ela sempre aceita tudo e procura retornar a seu objetivos, como água que se molda ao meio que está, e é exatamente isso que as pessoas dizem quando olham para seus olhos cinzentos. Em contraponto a toda essa aceitação temos Hatsumomo, a grande antagonista desse livro, ela é como o fogo, destrói tudo por onde passa. Todas as duas são personagens cheias de camadas e muito bem construídas.

Além das mulheres temos os personagens masculinos, que estão ali para serem bem tratados e entretidos pelas gueixas. E desde o primeiro momento percebemos que Sayuri tende a se encantar pelos homens que são bondosos com ela, podemos perceber isso na primeira forte figura masculina que surge em sua vida, o senhor Tanaka, que em muito se parece com o presidente, grande amor da vida de Sayuri. Então para contrapor esses homens sempre tão atenciosos temos Nobu, um homem amargo que sempre diz o que pensa, mas que é encantado pela gueixa.

Em vários momentos do livro me incomodava a passividade de Sayuri e as atitudes dela em alguns momentos, porém ao longo da história o autor consegue te mostrar que as escolhas dela não são como a de todo mundo, ela é uma gueixa e a vida dela não é simples, ela não terá uma história de amor convencional. E acho que tudo isso é ainda mais bonito a partir do momento em que vemos a teia do enredo bem tecida e com a justificativa de que o destino ajudou todos os personagens a chegarem até ali.

Memórias de um Gueixa não é apenas uma história de amor, é a história de uma vida, de uma mulher que fez de tudo para ir de encontro a seus sonhos. Mas uma história de memórias do Japão, porque vemos ali o relato do período de guerra e o que essa guerra causou em um lugar de tanta arte e beleza. Um livro maravilhoso tanto para quem gosta de romance, quanto para quem gosta de aprender sobre a cultura de outros países ou simplesmente uma leitura muito prazerosa.

Obs; Se você tal como eu já assistiu ao filme, verá que temos um final a frente de como ele termina. O que pra mim foi bem interessante.

Até o próximo post! 
Copyright © 2014 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo