28 dezembro 2012

Animes 2012

Sakamichi no Apollon



Sinopse:"Verão de 1966, Kaoru Nishimi mudou-se para viver com parentes em Kyushu. Ele tem sido um aluno encrenqueiro toda a sua vida, mas começa a mudar quando conhece Sentarou Kawabuchi, um menino famoso da escola. Através dele, ele aprende o apelo do jazz e faz suas primeiras amizades verdadeiras."

Sakamichi no Apollon é um anime sobre o amor pelos amigos e pela música, ele é bem diferente dos animes que eu costumo assistir, mas isso não o faz menos amado. O anime tem uma estética e uma trilha sonora maravilhosa, e isso junto a uma história tão doce que relata o  relacionamento de três amigos, que é impossível não se ver totalmente envolvido e apaixonado. Os personagens principais também colaboram perfeitamente para esse encantamento, eles são tão reais, que juro que muitas vezes tive que me convencer de que eles eram apenas desenhos. 

Não posso deixar de falar sobre meu personagem preferido: Sentarou. Meu Deus! O que era o Sen, ele é bonito demais (sim eu acho personagens de animes sexy, e daí?!) e a voz que o dublava derretia meu coração. Fora isso ele era tão bom, tão humano e sensível que eu não consegui resistir a ele.


Como sitei anteriormente a trilha sonora desse anime é muito maravilhosa (até porque um anime que fala de jazz, teria que ter uma trilha à altura), e sua opening não foge a regra, a música é linda e as imagens também. Sakamichi é daqueles animes para se devorar com os olhos e ouvidos.




Hyouka



Sinopse: "A história gira em torno de Oriki Hotaro, um garoto do ensino médio que sempre age de forma passiva. Um dia, ele entra na Koten Bu (Clube de Literatura Clássica), recomendado pela sua irmã mais velha. Lá ele encontra Eru Chitanda, Satoshi Fukube e Mayaka Ibara. Chitanda é uma garota linda e calma, mas que se transforma em uma encarnação de curiosidade, uma vez que ela diz: "Watashi, Kininarimasu".

Hyouka também foi mais um anime com temática diferenciada que eu assisti e virei muito fã. Adoro histórias de mistério, elas sempre me encantaram e eu sempre ficava ansiosa para saber como tudo seria solucionado, com Hyouka não foi diferente, achei legal que eles não se prenderam a história principal (o mistério do tio de Chitanda) e novas histórias foram incrementadas.

Quem desenhou Hyouka merece um prêmio, é muito maravilhoso. Os momentos de imaginação do Oreki e as soluções dos mistérios eram mágicos. Os olhos dos personagens, principalmente os da Chitanda, são muito impressionantes.

Meu personagem preferido é claro que é o Oreki, como não amar uma pessoa tão preguiçosa como ele, que  no Ano Novo quer apenas ser um caramujo (chorei de tanto rir esse dia). Mas mesmo sendo preguiçoso ele é inteligente e tem uma voz tão maravilhosa (fixação com dubladores).





Opening tão linda e mágica como todo o anime.




Tonari no Kaibutsu-kun



Sinopse: "Misutani Shizuku é uma garota no maior estilo “coração gelado” que só quer saber de se dar bem nas notas e não dá a mínima importância para os outros. Porém a vida de Shizuku muda ao conhecer Yoshida Haru, um garoto conhecido pela sua personalidade extremamente recatada e cheia de segredos. A coisa fica engraçada quando Haru se confessa para Shizuku e… o que será daqui por diante desse casal?"

Tonari no Kaibutsu-kun é um shoujo maluco, nos três primeiros episódios já teve declaração de amor e beijo. Fora que todos os personagens poderiam ir pro hospício, são todos pirados: um se perde toda hora, outro virou chefe de turma por usar óculos, outro tem um galo de estimação e outro não gosta de meninos por achar que isso afasta as amigas mulheres. Mas tirando toda essa doidera ele é uma anime sobre conquistar amigos, isso sem ser triste.

Meu personagem preferido é o galo Nagoya, não consigo olhar pra ele e não rir, e a cada final de episódio que alguém conversava com ele era meia hora depois rindo igual uma retardada.



A opening dele é  leve e divertida como o anime. Se você gosta de comédias vai amar Tonari





Kamisama Hajimemashita



Sinopse:"Somos apresentados a jovem Nanami Momozono, que acaba se tornando sem teto após seu pai fugir por causa de dívidas e o cobrador lhe tirar a casa. Nisso, ela acaba conhecendo Mikage, um estranho que morre de medo de cachorros. Após ela salvar ele justamente de cachorros, ele acaba oferecendo moradia para ela, que aceita na hora. Porém, logo ela descobre que ele se refere a um templo xintoísta aparentemente abandonado. Sem escolhas, ela acaba ficando lá e sendo intitulada por Tomoe, um kitsune, como a nova deusa do templo."

Kamisama é muito fofo, é aquele anime leve e divertido. Com uma narração engraçada e personagens malucos. Em alguns momentos o Tomoe me lembrava o Inuyasha, acho que se houvesse um encontro entre personagens os dois virariam BFF (kkkkkk).



A música da opening é do tipo que gruda no seu cérebro e faz você cantar ela o tempo todo. Anime para se distrair e relaxar.


Espero que gostem dos animes, os quatros são muito bons, cada um no seu estilo. Que o próximo ano seja recheado de bons animes como 2012.

Bom anime!
Até o próximo post! (só ano que vem)


19 dezembro 2012

Top 10 Especial: Gossip Girl


O Top 5 de hoje vai ser bem diferente já que ele será Top 10, isso tudo para homenagear o final de uma das séries que eu mais amo: Gossip Girl. Sim, essa semana nossos queridos moradores do Upper East Side deram adeus e finalizaram essa série que acompanhamos por 6 temporadas, e que vai deixar muita saudade. Eu me apeguei demais a todos os personagens e vai ser difícil não ter mais Chuck Bass, Blair Waldorf, Serena Van der WOodsen, Dan Humphrey e Nate Archibald.


Meu post de despedida será um pouquinho diferente dos que vi por aí (que se foram mais sobre figurinos e melhores cenas), eu resolvi me focar em um dos aspectos que me fez amar cada vez mais a série: a sua trilha sonora. Por isso aumente o som e se prepare para relembrar cada cena que foi embalada por essas músicas.


10º The end of the affair – Michal Nyman



Episódio: 5x11 The End Of The Affair
Cena: Blair beijando Louis no reveíllon, na frente do Chuck
Gosto porque: a cena já é de cortar o coração, aí vem os produtores e colocam essa música maravilhosa só pra fazer todo mundo chorar.




9 º I can fell a hot one – Machester Orchestry



Episódio: 2x03 The Dark Night
Cena: Apagão em NY, Lorde Marcus flagra Blair e Chuck se beijando.
Gosto porque: a música é muito linda.




8 º Whatcha Say – Jason Derulo



Episódio: 3x11 The Treasures Of Serena Madre
Cena: Jantar de Thanksgivin em que Serena está tendo um caso com o primo do Nate.
Gosto porque: adoro episódios de Thanksgivin e essa música deu um toque divertido a uma cena tensa. Foi muito bom.




7 º Sings – Block Party



Episódio: 2x13 O Brother, Where Bart Thou?
Cena: Chuck vai se consolar da morte do Bart, nos braços da Blair.
Gosto porque: Uma cena tão fofa de Chair não podia ter uma música mais delicada.




6 º Video Games – Lana Del Rey



Episódio: 5x06 I Am Number Nine
Cena: Pedido de desculpas de Chuck para Blair.
Gosto porque: essa é uma das três cenas que eu mais amo na série e foi graças a ela que me apaixonei por Lana Del Rey.




5 º Stripper – Soho Dolls



Episódio: 1x07 Victor/Victrola
Cena: Stripper da Blair na Victrola
Gosto porque: pra mim essa é a música de comemoração da libertação da Blair.




4 º Paradise Circus – Massive Atack



Episódio: 3x21 Ex-Husbands And Wives
Cena: Chuck dá um ultimato a Blair.
Gosto porque: Acho a música sexy (sou doida) e adoro essa cena.





3 º I’m Here – Sia



Episódio: 4x02 Double Identity
Cena:  Blair fala com Chuck na estação de trem de Paris e diz que ele não pode deixar tudo que tem para trás.
Gosto porque: essa cena é tão perfeita que só a Sia e sua voz maravilhosa poderiam ser trilha para ela.





2 º With me – Sum 41



Episódio: 1x07 Victor/Victrola
Cena: Primeira vez de Chuck e Blair.
Gosto porque: essa cena é épica e não tem como escutar essa música e lembrar de Chuck e Blair.





1 º Young Folks - Peter Bjorn and John



Episódio: 1x01 Pilot
Cena: Serena voltando para NY.
Gosto porque: tudo começou com essa música e não tem como não associá-la com Gossip Girl.



Deu pra matar saudades da série toda.

You know you love me, xoxo gossip girl!


Até o próximo post!





05 dezembro 2012

The Selection: A Seleção





Sinopse: "Para trinta e cinco garotas, a “Seleção” é a chance de uma vida. Num futuro em que os Estados Unidos deram lugar ao Estado Americano da China, e mais recentemente a Illéa, um país jovem com uma sociedade dividida em castas, a competição que reúne moças entre dezesseis e vinte anos de todas as partes para decidir quem se casará com o príncipe é a oportunidade de escapar de uma realidade imposta a elas ainda no berço. É a chance de ser alçada de um mundo de possibilidades reduzidas para um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser a rainha.
Para America Singer, no entanto, uma artista da casta Cinco, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás Aspen, o rapaz que realmente ama e que está uma casta abaixo dela. Significa abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. E viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes.
Então America conhece pessoalmente o príncipe. Bondoso, educado, engraçado e muito, muito charmoso, Maxon não é nada do que se poderia esperar. Eles formam uma aliança, e, aos poucos, America começa a refletir sobre tudo o que tinha planejado para si mesma — e percebe que a vida com que sempre sonhou talvez não seja nada comparada ao futuro que ela nunca tinha ousado imaginar."

A Seleção tornou-se minha distopia preferida, ela é totalmente diferente de Jogos Vorazes. Ao invés de um governo ditatorial e cruel, há Maxon o príncipe moderno mais fofo que existe (tenho uma queda por príncipes devido ao excesso de contos de fadas lidos na infância).

O livro é narrado por America Singer, a mocinha corajosa, romântica, sonhadora, determinada e amiga, e devido a todas essas qualidades a narração dela não se torna um problema. A estória é algo que me cativa porque uma seleção para escolher quem será a princesa me lembra tanto "Cinderella", mesmo tudo aquilo sendo meio ridículo (pessoas se casando através de reallity shows), não tem como não ficar encantado com tudo.

Como a maioria dos romances YA, a Seleção também tem um triângulo amoroso e as duas outras pontas não deixam de ser tão encantadoras quanto America. Maxon é um príncipe tão doce, sensível e compreensível que não tem como torcer para que tudo der certo pra ele. E Aspen também é tão maravilhoso, que em alguns momentos desejei que Meri não tivesse ido para a Seleção. Fiquei com o meu coração muito dividido, mas com a chegada do final da estória posso dizer que Maxon me encantou de vez e torço para que ele consiga conquistar America também.

A questão dos rebeldes achei que ficou meio perdida (um dos motivos pra que eu não achasse o livro ótimo) espero que Kiera Cass dê mais atenção a esse núcleo da série, para que possamos ter algo mais do que troca de roupas, encontros secretos e corações divididos (sim, eu gosto de uma boa cena de ação). Tirando isso o livro me agradou muitíssimo, terminei de lê-lo em dois dias, mas fiquei com aquela sensação de quero mais e quase o li novamente. Espero ansiosamente pela continuação (que infelizmente só sai em Abril).

Ah, não podia me esquecer de dizer o quanto essa capa do livro é linda.

Tenha uma boa leitura!
Até o próximo post!

23 novembro 2012

Resenha: Os Instrumentos Mortais: Cidade das Cinzas


Sinopse: "Clary Fray só queria que sua vida voltasse ao normal. Mas o que é “normal” quando você é uma Caçadora de Sombras assassina de demônios, sua mãe está em um coma magicamente induzido e você de repente descobre que criaturas como lobisomens, vampiros e fadas realmente existem? Se Clary deixasse o mundo dos Caçadores de Sombras para trás, isso significaria mais tempo com o melhor amigo, Simon, que está se tornando mais do que só isso. Mas o mundo dos Caçadores não está disposto a abrir mão de Clary — especialmente o belo e irritante Jace, que por acaso ela descobriu ser seu irmão. E a única chance de salvar a mãe dos dois parece ser encontrar o perverso ex-Caçador de Sombras Valentim, que com certeza é louco, mau... e também o pai de Clary e Jace. Para complicar ainda mais, alguém na cidade de Nova York está matando jovens do Submundo. Será que Valentim está por trás dessas mortes? E se sim, qual é o seu objetivo? Quando o segundo dos Instrumentos Mortais, a Espada da Alma, é roubada, a aterrorizante Inquisidora chega ao Instituto para investigar — e suas suspeitas caem diretamente sobre Jace. Como Clary pode impedir os planos malignos de Valentim se Jace está disposto a trair tudo aquilo em que acredita para ajudar o pai?"


A minha leitura desse livro foi muito estranha, eu o devorei em 3 dias, não sei se isso aconteceu porque queria muito que o final de Cidade dos Ossos fosse revertido ou se gostei demais dele. Então pode ser que eu tenha que relê-lo, para absorvê-lo melhor.

Diferente de muitas pessoas, eu gostei muito de Cidade das Cinzas. Gostei do clima tenso que foi criado a partir da Inquisidora, me fez lembrar de Dolores Umbridge. Jace ainda não conseguiu me conquistar, acho ele muito convencido, me incomoda bastante a personalidade dele. Simon caiu no meu conceito, devido a uma certa burrada que fez depois de ter o coração partido por Clare. Dois personagens que antes me passaram despercebidos no primeiro livro ganharam meu coração: Magnus Bane e Alec, os dois são demais quero muito que eles fiquem juntos.

A escrita de Cassandra Clare continua maravilhosa, suas descrições e criações de mitologia são impecáveis. Gosto muito dela envolver tabus em seus livros, mesmo que a temática seja fantasia, a questão do incesto e da homossexualidade são retratadas com muito delicadeza e respeito, acho isso um dos pontos fortes de sua escrita. Além desses quesitos ela tem o dom de fazer o leitor roer as unhas e desejar ler cada vez mais os seus livros, como eu já havia comentado na minha resenha sobre Cidade dos Ossos o final desse livro também foi de arrasar.Se você vai começar a ler Instrumentos Mortais recomendo que compre todos os livros já lançados, senão você vai ficar em cólicas pelos próximos livros.

Recomendo essa série pra todos os fãs de fantasia, acho que finalmente consegui encontrar uma série tão boa quanto Harry Potter. Cassandra Clare não fica pra trás de J.K Rowling.

Tenha um boa leitura!
Até o próximo post.

20 novembro 2012

Resenha: Cinquenta Tons de Liberdade


Sinopse: "Anastasia Steele conheceu o jovem empresário Christian Grey, teve início um sensual caso de amor que mudou a vida dos dois irrevogavelmente. Chocada, intrigada e, por fim, repelida pelas estranhas exigências sexuais de Christian, Ana exige um comprometimento mais profundo. Determinado a não perdê-la, ele concorda. Agora, Ana e Christian têm tudo: amor, paixão, intimidade, riqueza e um mundo de possibilidades a sua frente. Mas Ana sabe que o relacionamento não será fácil, e a vida a dois reserva desafios que nenhum deles seria capaz de imaginar. Ana precisa se ajustar ao mundo de opulência de Grey sem sacrificar sua identidade. E ele precisa aprender a dominar seu impulso controlador e se livrar do que o atormentava no passado. Quando parece que a força dessa união vai vencer qualquer obstáculo, a malícia, o infortúnio e o destino conspiram para transformar os piores medos de Ana em realidade."

Tinha grandes expectativas com “Cinquenta tons de Liberdade”, porque achei que a autora cresceu muito no livro anterior, que por sinal é o meu preferido da série, e pensei que o último i fechar com chave de ouro. Infelizmente, eu não poderia estar mais enganada, o que foi esse livro?! Eu comecei a ler o livro e comecei a me apaixonar pelo Mr. Grey (Diferente das outras leitoras eu não me apaixonei por ele nos outros livros, achava ele muito perturbado), no início ele me encantou, mas com o decorrer do livro a minha paixonite foi pelo ralo e eu só pensava “Pra quê Meu Deus?! Pra quê que essa mulher escreveu um terceiro livro?!”, o livro não acrescentou nada a série, os personagens não cresceram, não teve nada significativamente importante e além de todos esses defeitos o livro conseguiu ultrapassar todas as barreiras existentes no mundo das fanfics, eu passei o livro todo pensando em como que a E.L. James podia copiar Crepúsculo tão descaradamente, as únicas coisas empolgantes que aconteceram na estória eram muito parecidas com os acontecimentos da saga de Stephanie Meyer. Essa leitura foi decepcionante.

Algumas pessoas acharam o livro maravilhoso, mas pelamordedeus, como que não percebem que o livro foi fraco. A autora parecia estar com preguiça de escrever, ela não dava continuidade ao assunto do capítulo, cortava a estória para que a Anastasia tivesse suas lembranças, e isso tornou o livro um saco (com o perdão da palavra). O relacionamento Grey e Anastasia também foi uma porcaria, era sempre assim: briga, sexo, declaração de amor; que relacionamento sobrevive assim?! Tá que é um livro, mas custava ser mais realista?!

Outra coisa que me decepcionou muito foi que coisas que tinha nos outros livros que eu considerava o ponto forte da escrita de James, desapareceram nesse livro. Os e-mails e a trilha sonora simplesmente sumiram, dando lugar a uma chatice de Sr. Grey e Sra. Grey. Nem as descrições das cenas de sexo continuaram as mesmas, era tudo muito corrido.

Quer um conselho, se você está lendo a série e achando maravilhoso continue, mas se você pensa que a escrita é falha, aconselho que pare no segundo livro, porque senão você vai ficar com a mesma sensação que eu fiquei, de que esse livro só foi uma procrastinação desnecessária.

Boa Leitura ou Não!
Até o próximo post!


06 novembro 2012

Instrumentos Mortais: Cidade dos Ossos


Sinopse: "Um mundo oculto está prestes a ser revelado... Quando Clary decide ir a Nova York se divertir numa discoteca, nunca poderia imaginar que testemunharia um assassinato - muito menos um assassinato cometido por três adolescentes cobertos por tatuagens enigmáticas e brandindo armas bizarras. Clary sabe que deve chamar a polícia, mas é difícil explicar um assassinato quando o corpo desaparece e os assassinos são invisíveis para todos, menos para ela. Tão surpresa quanto assustada, Clary aceita ouvir o que os jovens têm a dizer... Uma tribo de guerreiros secreta dedicada a libertar a terra de demônios, os Caçadores das Sombras têm uma missão em nosso mundo, e Clary pode já estar mais envolvida na história do que gostaria."

Sou muito viciada em blogs literários e no Skoob, já tinha lido umas 50 resenhas desse livro e todo mundo falava que era maravilhoso. Aí eu baixei ele da internet e comecei a ler, mas a primeira parte não conseguiu me pegar, mas eu não desisti e resolvi comprá-lo e recomeçar a lê-lo, e essa foi a melhor coisa que eu poderia ter feito. Porque ler um livro impresso é muito mais prazeroso e a capa desse livro é tão maravilhosa que não tem como não ficar encantado (sim, estou julgando um livro pela capa. kkk).

Sou uma grande fã de fantasia e como a maioria desses fã a minha série preferida é Harry Potter, e dizem que Instrumentos Mortais é meio que uma Fanfic de HP, e mesmo os grandes fãs dizendo que não é bem assim, eu tenho que dizer que Cassandra tem uma "influência" descarada de J.K. Rowling. Mas isso não vem a ser um problema, pelo contrário Cidade dos Ossos é um bom livro, a autora escreve muito bem e mesmo com toda essa influência ela conseguiu criar um mundo inédito e tão encantador quanto o mundo de J.K.

O que eu mais gosto são os personagens de Cassandra, mesmo sendo sobrenaturais eles possuem alguma coisa muito humana. E diferente de todo mundo eu  não me apaixonei por Jace, exatamente porque ele é o que mais se distancia da humanidade, ele fica lá todo lindo, sarcástico, sincero e fodão (muitas qualidades para um personagem só). Gosto muito da Claire, ela foge totalmente desse padrão atual de que mocinha tem que ficar lá estática, que só sabe choramingar e se sentir feia, ela corre atrás do que quer e ela também é muito divertida. Mas me desculpem as fãs de Jace, meu personagem preferido é o Simon, ele é muito engraçado, todas as cenas que ele participa é risada garantida.

Gostei muito do livro, só tive uma certa dificuldade para começar a apreciá-lo, a primeira parte (o livro é dividido em 3 partes) é bem arrastada. Cassandra Clare tem aquele dom que faz com que o leitor queira ler sempre mais e suas descrições são impecáveis. Acabei de ler Cidade dos Ossos e já quis o Cidade das Cinzas, porque o final desse livro (e pelo que vejo, de todos da série) é muito chocante, você quer logo saber o que vai acontecer. Acho que essa série promete.

Tenha uma boa leitura!
Até o próximo post!

04 novembro 2012

Resenha: As Vantagens De Ser Invisível


Sinopse:"Ao mesmo tempo engraçado e atordoante, o livro reúne as cartas de Charlie, um adolescente de quem pouco se sabe - a não ser pelo que ele conta ao amigo nessas correspondências -, que vive entre a apatia e o entusiasmo, tateando territórios inexplorados, encurralado entre o desejo de viver a própria vida e ao mesmo tempo fugir dela.
As dificuldades do ambiente escolar, muitas vezes ameaçador, as descobertas dos primeiros encontros amorosos, os dramas familiares, as festas alucinantes e a eterna vontade de se sentir "infinito" ao lado dos amigos são temas que enchem de alegria e angústia a cabeça do protagonista em fase de amadurecimento. Stephen Chbosky capta com emoção esse vaivém dos sentidos e dos sentimentos e constrói uma narrativa vigorosa costurada pelas cartas de Charlie endereçadas a um amigo que não se sabe se real ou imaginário.
Íntimas, hilariantes, às vezes devastadoras, as cartas mostram um jovem em confronto com a sua própria história presente e futura, ora como um personagem invisível à espreita por trás das cortinas, ora como o protagonista que tem que assumir seu papel no palco da vida. Um jovem que não se sabe quem é ou onde mora. Mas que poderia ser qualquer um, em qualquer lugar do mundo."


Algumas vezes na sua vida você se depara com coisas que o surpreende de tal maneira, que às vezes chega a superar as mais altas expectativas e ler  "As vantagens de ser invisível" foi exatamente assim. Comecei a ler o livro apenas por curiosidade, tinha lido muitas resenhas o elogiando e criei expectativas, mas quando me deparei com uma escrita tão simplória, como se um menino de 15 anos estivesse mesmo escrevendo me decepcionei um pouco e achei que seria um livro ruim. Mas eu não poderia estar mais enganada, Stephen Chbosky conseguiu me encantar através da inocência e sinceridade de Charlie, me fez rir e sofrer com cada um dos personagens e principalmente conseguiu fazer uma história tão real que me fez acreditar que todos podemos ser infinitos.

"As vantagens de ser invisível" é o tipo de livro simples e fácil de ler, mas muito complexo em sua temática. Não vou dizer que não foi prazeroso e um ótimo passatempo, mas esse livro é para se refletir, pensar em cada "tabu" que lhe é apresentado, se imaginar no lugar de Charlie e no final tirar lições dele que servirão pra toda vida.

Os personagens de Chbosky são uma maravilha, tão reais que em alguns momentos eu os reconheci em pessoas que conheço, acho que todos vão ler e vão pensar: "Eu conheço uma Sam" ou "Tenho um amigo como Patrick". Foi muito difícil decidir qual é meu personagem preferido, amei o Charlie desde o começo toda a sua vontade de ter amigos e de agrada-los é tão lindo, Sam é aquela explosão de autenticidade, mas o Patrick é meu escolhido, porque ele é tão louco, tão divertido, tão espontâneo, que desejei que ele fosse real para que pudéssemos ser amigos. 

Com toda certeza posso dizer que esse foi um dos livros que mais me surpreendeu esse ano e com toda certeza entrou pra lista de melhores livros que já li.

O livro ganhou uma versão cinematográfica com Emma Watson, Logan Lerman e Ezra Miller, que não deixou a desejar. Ezra Miller é a personificação perfeita de Patrick, já achava ele um ator incrível por causa de "Precisamos falar sobre o Kevin", depois desse passei a endeusá-lo. Então se você não é da turma do livro corra pro cinema mais próximo (vai ter que procurar um pouco já que o filme está em poucas salas de cinema no Brasil, pra variar filmes complexos são sempre deixados de lado) e assista o filme.




Uma boa leitura ou Sessão de cinema!
Até o próximo post!




23 outubro 2012

Resenha: Os Lobos de Mercy Falls: Calafrio



Livros de romances sobrenaturais existem aos montes, mas "Calafrio" mostrou que vai além da simples historinha de rapaz amaldiçoado que se apaixona por mocinha sem graça. Maggie Stifvater escreveu uma obra-prima, um livro que faz com que seu leitor vivencie cada momento como se estivesse em Mercy Falls.


Sinopse: "Quando chega o inverno, Grace é atraída pela presença familiar dos lobos que vivem no bosque atrás de sua casa. Ela espera ansiosamente pelo frio desde que fitou pela primeira vez os profundos olhos amarelos de um dos lobos e sobreviveu ao ataque de uma alcateia  Esses mesmos olhos brilhantes ela encontraria mais tarde em Sam, um rapaz que cresceu vivendo duas vidas: uma normal, sob o sol, e outra no inverno, quando vestia a pele do animal feroz que, certa vez, encontrou aquela garota sem medo. 

Tudo o que Sam deseja é que Grace o reconheça em sua forma humana, e para isso bastaria que trocassem um único olhar. Mas o tempo de Sam está acabando. Ele não sabe até quando manterá a dupla aparência e quando se tornará um lobo para sempre. Enquanto buscam uma maneira para torná-lo humano para sempre, têm de enfrentar a incompreensão da cidade, que vê nos lobos um perigo a ser combatido."


Book Trailer de Calafrio 

"Calafrio" entrou para a lista de livros que eu mais gosto, nunca tinha lido nada que a Maggie tinha escrito, mas depois de ver vídeos e ler resenhas elogiado o quanto ela escreve bem e como seu romances eram maravilhosos, eu não consegui fugir da necessidade de lê-los. O livro me conquistou nas suas primeiras páginas, me fazendo desejar ardentemente tê-lo em minha estante. Devorei a história de Sam e Grace em 3 dias, mas quando acabou a minha vontade foi recomeça-lo e sentir novamente todos os sentimentos e sensações que aquela leitura me proporcionou.

O livro não se aprofunda muito no sobrenatural o enfoque da história é o amor de Sam e Grace, mas isso em momento algum se torna um problema. A maneira como tudo é escrito é tão poético e delicado. Gosto muito da divisão de narradores, vemos os acontecimentos através dos olhos de Sam, sensível e musical, e de Grace, pragmática e direta. Há também a questão da temperatura, a autora sempre coloca a temperatura no começo de cada capítulo, tinha a sensação de que o frio se aproximava também para mim.

Durante todo o tempo de leitura rezava para que algo mágico acontecesse e que os dois pudessem ficar juntos, não me importava se fossem como lobos ou humanos, só queria que ficassem juntos. Sofri a cada lufada de ar que colocava em risco a relação dos dois e me emocionei com as tentativas de Sam para que tudo desse certo. Quando me aproximei do final eu quase enlouqueci de tanta tristeza, mas no último parágrafo todo o sofrimento foi recompensado. Pra mim podia acabar naquele momento, já estava completo. Não posso negar que quero uma continuação só para poder me deliciar com a escrita de Maggie Stifvater, mas tenho medo de que algo aconteça e destrua a série.

Recomendo a todos os fãs de um bom romance que leiam "Calafrio", vocês não irão se arrepender.

"E então eu abri meus olhos e era só Grace e eu - nada em lugar algum a não ser Grace e eu - ela pressionando seus lábios juntos como se quisesse guardar meu beijo dentro dela, e eu, segurando esse momento que era frágil como um pássaro em minhas mãos."

Uma boa leitura!
Até o próximo post!

   




18 outubro 2012

O resgate do Tigre

Sei que esse post está atrasadíssimo, mas eu li tanto livro e assisti tanto anime nesses últimos tempos que tá sendo muito difícil acompanhar com posts (já sei que reclamei disso no outro post, mas não custa nada repetir). Mesmo assim acho válido uma resenha desse livro, já que essa série me conquistou.


Sinopse:" Kelsey Hayes nunca imaginou que seus 18 anos lhe reservassem experiências tão loucas. Além de lutar contra macacos d'água imortais e se embrenhar pelas selvas indianas, ela se apaixonou por Ren, um príncipe indiano amaldiçoado que já viveu 300 anos. Agora que ameaças terríveis obrigam Kelsey a encarar uma nova busca – dessa vez com Kishan, o irmão bad boy de Ren –, a dupla improvável começa a questionar seu destino. A vida de Ren está por um fio, assim como a verdade no coração de Kelsey. Em O Resgate do Tigre, a aguardada sequência de A Maldição do Tigre, os três personagens dão mais um passo para quebrar a antiga profecia que os une. Com o dobro de ação, aventura e romance, este livro oferece a seus leitores uma experiência arrebatadora da primeira à última página."

No post que eu fiz sobre A Maldição do Tigre falei sobre o tanto que gostei do livro,mas O Resgate do Tigre conseguiu ser melhor ainda. Collen Houck melhorou alguns pontos que me incomodaram no primeiro livro e a história teve tudo em proporções maravilhosas: romance, ação e magia. Foi uma belíssima continuação.

Nessa nova aventura Kelsey tem como parceiro Kishan, e mesmo amando o Ren com todas as minhas forças, tenho que confessar que gostei muito dos dois juntos (não como um casal!), achei essa missão bem melhor do que a do primeiro livro. Mas me incomodou essa formação de triângulo amoroso, agora todo romance tem que ser de três?! Não acho que Kishan tenha chance, Kelsey e Ren tem um amor muito bonito e forte e não acredito que uma pessoa que se diz tão apaixonada e ligada a outra consiga ficar em dúvida.

Falando de Kelsey e Ren, posso dizer que a primeira parte do livro foi tão maravilhosa, que me fez suspirar e querer reler várias vezes. Mas acredito que muitas pessoas podem largar o livro de lado devido a isso, tem gente que tem diabetes literária, e não gosta de um bom romance açucarado. A essas pessoas apenas digo; Continuem, porque vale a pena.

As descrições e a inserção dos mitos indianos foram perfeitas, Houck continua demonstrando que fez a lição de casa muito bem. Gosto muito de suas descrições das roupas, em alguns momentos chegava a ver uma materialização das peças na minha frente. Porém, me incomoda um pouco a fixação dela com a comida, ela descreve tanto que ou você fica com fome ou enjoado de tanta comida.

O livro é daqueles que te faz querer sempre mais e quando chegou ao final, juro que me segurei para não chorar e mandar um e-mail para autora dizendo o quanto ela é cruel. Acabei o Resgate desejando que "A viagem do Tigre" chegasse logo nas livrarias, mas infelizmente só novembro (mês que eu espero desesperadamente). E a necessidade do novo livro era tão grande que reli os outros dois novamente e posso dizer que o encantamento não mudou, por isso indico a todos que leiam essa história que muitas vezes me fez lembrar de "A Bela e a Fera".
Tenha uma boa leitura!
Até o Próximo post!


09 outubro 2012

3 Animes Shoujo

Esse ano eu estou uma devoradora de anime, devo ter assistido uns 10 animes e tá sendo difícil acompanhar essa rotina com posts de cada um. Então eu pensei: "Vou juntar animes do mesmo estilo e fazer um post só". Por isso o post de hoje falará de três animes Shoujo ou Shõjo, que são os romances e comédias românticas do mundo dos animes, ou como alguns dizem: Anime para garotas (preconceito feelings). Eu comecei a gostar desse estilo esse ano, depois que eu assisti Toradora e resolvi procurar outros do mesmo estilo, foi aí que encontrei Bokura Ga Ita, Kimi ni Todoke e Lovely Complex.

Bokura Ga Ita



Sinopse: "Takahashi Nanami (Nana) está começando o secundário e conhece um garoto, Motoharu Yano, que é muito popular entre as garotas. Nanami  acaba se apaixonando por Yano e descobre que no verão passado sua ex-namorada, que também chama Nana, morreu em um acidente de carro, o deixando cheio de complexos por causa do antigo relacionamento. Os dois começam a namorar e tem que enfrentar vários problemas"

Sinceramente eu não gostei desse anime, a história gira em torno do relacionamento dos dois e a Nana e Yano são o casal mais chato que existe. Ela é extremamente infantil, chorona e fica fazendo tudo para agradar o Motoharu, passando por cima de si mesma pra isso. E ele é um problemático que fica comparando a atual namorada com a antiga, além disso ele só pensa em sexo. Também não acontece nada no anime, só umas briguinhas idiotas e términos desnecessário. E o final também foi muito ruim, quando acabou pensei: PUTZ!Que perda de tempo assistir esse anime.





Kimi Ni Todoke



Sinopse: "Na escola, Kuronuma Sawako é temida por todos por causa de seu olhar sombrio e assustador. Ela tem o apelido de “Sadako” e poucos ainda sabem seu verdadeiro nome. O que não sabem, é que por trás desse olhar assustador, há uma menina meiga, sempre querendo fazer amigos e tentando ser agradável. Kazehaya Shouta é a única pessoa que não discrimina Sawako e começa a entendê-la melhor. Ela o admira e aspira ser como ele: agradável e cheio de pessoas à sua volta. Com a ajuda de Kazehaya, Sawako parece ter uma chance de mudar."

Kimi Ni Todoke foi um anime que me emocionou muito (quem não se emociona com essa história é um sem coração), eu tinha tanta dó da Sawako, ela é uma garota solitária que só queria ter amigos, mas que era afastada por todos só porque se parecia com a Samara. Imagina que tristeza, você dá Bom Dia para as pessoas e todos saírem gritando?! (eu sei, que além de triste é cômico). No quesito relacionamento Kazehaya e Sawako, eu tinha vontade de entrar no anime e sacudir os dois e falar: PELOAMORDEDEUS! Será que dá pra vocês se declararem e se beijarem logo. Era uma lerdeza sem fim, mas tirando isso o anime é muito legal.




Lovely Complex




Sinopse:"Risa Koizumi tem 1,72 de altura, sendo um "pouco" alta para a idade, e Atsushi Otani tem 1,56 de altura, um "pouco" baixo para a sua idade. Por causa disso, e também por serem "engraçados" juntos, eles são conhecidos na escola como "All Hashin Kyojin"(dupla de comediantes japoneses, em que é um alto e outro baixo).Koizumi e Otani fazem uma aposta, para ver quem arranja um namorado mais rapidamente. Feita a aposta, ambos acabam se metendo em muitas confusões."

Lovely Complex foi um dos animes que eu mais gostei de assistir, é o anime shoujo mais engraçado da vida. Otani e Koizumi são um casal perfeito, além de implicarem um com o outro o tempo todo eles suuuupeeerr combinam. E a Koizumi é o tipo de mocinha que eu gosto, ela toma fora mas não desiste nunca. Gostei demais desse Shoujo, um dos melhores que eu já assisti.


Bom anime!
Até o próximo post!




01 outubro 2012

Top 5: Tim Burton


Tim Burton é um dos cineastas que eu mais gosto, seus filmes marcaram muito a minha infância e eu gosto deles até hoje. Por isso quis fazer um top 5 dos filmes dele.


5. Os fantasmas se divertem (1988)


Sinopse: "Após morrerem quando o carro deles cai em um rio, Barbara Maitland (Geena Davis) e Adam Maitland (Alec Baldwin) se vêem como fantasmas que não podem sair da sua casa de campo na Nova Inglaterra, pois antes que possam ganhar suas asas têm que ocupar a casa como fantasmas pelos próximos cinqüenta anos. A paz é rompida quando Charles (Jeffrey Jones) e Delia Deitz (Catherine O'Hara), um casal de novos-ricos, compra a casa. Mas os Maitland são inofensivos como fantasmas e os esforços para espantar os compradores acaba em fracasso. E se o casal não fica apavavorado, Lydia Deitz (Winona Ryder), a excêntrica e dark filha deles, pode ver e falar com Barbara e Adam, que contratam os serviços de um Beetlejuice (Michael Keaton), um "bio-exorcista", para apavorar os moradores, apesar de sentirem simpatia por Lydia. Mas logo a situação foge do controle."

Porque eu gosto: Porque Michael Keaton de Beetlejuice é incrível. Porque tem uma das  cenas mais engraçadas que eu já vi. Porque a mistura do sombrio com a comédia ficou na medida certa. E finalmente, porque minha "Sessão da Tarde" da infância foi marcada por esse filme. 



4. A lenda do Cavaleiro Sem Cabeça (1999)


Sinopse: "Em 1799, uma série de crimes envolvendo inocentes acontece no pequeno vilarejo de Sleepy Hollow. Para investigar o caso é chamado o detetive nova-iorquino Ichabod Crane (Johnny Depp), um excêntrico e determinado oficial de polícia com um jeito avant-garde de solucionar crimes. Os métodos investigativos de Ichabod serão postos à prova neste caso, que envolve um ser sobrenatural que pode ser o causador de todos os crimes."

Porque eu gosto: Porque tem Jhonny Depp é claro. Porque ele está impagável de Ichabold, o investigador medroso. Porque Christopher Walken ficou irreconhecível como Cavaleiro Sem Cabeça.



3. A Fantástica Fábrica de Chocolate (2005)


Sinopse: "Willy Wonka (Johnny Depp) é o excêntrico dono da maior fábrica de doces do planeta, que decide realizar um concurso mundial para escolher um herdeiro para seu império. Cinco crianças de sorte, entre elas Charlie Bucket (Freddie Highmore), encontram um convite dourado em barras de chocolate Wonka e com isso ganham uma visita guiada pela lendária fábrica de chocolate, que não era visitada por ninguém há 15 anos. Encantado com as maravilhas da fábrica, Charlie fica cada vez mais fascinado com a visita."

Porque eu gosto: Porque eu já gostava do primeiro filme, mas com Tim Burton e Jhonny Depp tudo ficou tão maravilhoso. Porque a história da vida de Willy Wonka é retratada. Porque a trilha sonora é divertidíssima.




2. O Estranho Mundo de Jack (1994)


Sinopse: "Jack Skellington (Chris Sarandon) é um ser fantástico que vive na Cidade do Halloween, um local cercado por criaturas fantásticas. Lá todos passam o ano organizando o Halloween do ano seguinte mas, após mais um Halloween, Jack se mostra cansado de fazer aquilo todos os anos. Assim ele deixa os limites da Cidade do Halloween e vagueia pela floresta. Por acaso acha alguns portais, sendo que cada um leva até um tipo festividade. Jack acaba atravessando o portal do Natal, onde vê demonstrações do espírito natalino. Ao retornar para a Cidade do Halloween, sem ter compreendido o que viu, ele começa a convencer os cidadãos a sequestrarem o Papai Noel (Edward Ivory) e fazerem seu próprio Natal. Apesar de argumentos fortes de sua leal namorada Sally (Catherine O'Hara) contra o projeto, o Papai Noel é capturado. Mas os fatos mostrarão que Sally estava totalmente certa."

Porque eu gosto: Porque retrata uma das datas comemorativas que eu mais amo: O Natal. Porque o amor de Sally por Jack é tão lindo. Porque tem uma das trilhas sonoras de animação que eu mais amo. E porque no dia 24 de dezembro eu sempre gosto de assistir.



1. Edward Mãos de Tesoura (1990)


Sinopse: "Peg Boggs (Dianne Wiest) é uma vendedora da Avon que acidentalmente descobre Edward (Johnny Depp), um jovem que mora sozinho em um castelo no topo de uma montanha e que na verdade foi criado por um inventor (Vincent Price), que morreu antes de dar mãos ao estranho ser, que possui apenas enormes lâminas no lugar delas. Isto o impede de poder se aproximar dos humanos, a não ser para criar revolucionários cortes de cabelos, mas ele dá vazão à sua solidão interior ao podar a vegetação em forma de figuras ou esculpir lindas imagens no gelo. No entanto, Edward é vítima da sua inocência e, se é amado por uns, é perseguido e usado por outros."
Porque eu gosto: Porque foi por causa desse filme que me apaixonei por Jhonny Depp e Tim Burton. Porque eu choro todas as vezes que assisto. Porque a trilha sonora feita por Danny Elfman é uma das melhores que ele já fez. E porque a história é tão bizarra, mas tão linda ao mesmo tempo.


Deu para perceber que a maioria dos filmes tem o Jhonny Depp como protagonista, isso porque eu sou muito fã dessa parceria Depp e Burton (claro, somente os filmes antigos, os recentes não me agradaram muito). Além disso as trilhas sonoras sempre são mágicas e isso com toda certeza é o que mais me cativa.
Espero que gostem dos filmes!
Até o próximo post!













Copyright © 2014 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo