20 setembro 2012

Cinquenta Tons Mais Escuros


"Cinquenta tons mais escuros" foi um pouco melhor que  "Cinquenta tons de cinza", mas comprovou de vez que o livro é um romance açucarado mascarado de pornô, porque BDSM quase não existiu nesse livro.
Christian Grey deixou de ser o Sr. Dominador para tornar-se em Sr. Apaixonado, não que isso seja ruim, mas o cara mudou totalmente sua personalidade deixando de lado, em grande parte do livro, seu jeito mandão, tudo para agradar a Srta. Anastasia Steele. E Ana foi pra mim a melhor mudança, porque pelo amor de Deus como que uma garota de 21 anos pode ser tão Teenager?! Sério, o jeito dela no primeiro livro me irritava completamente, ela nem parecia que tinha se formado na faculdade, mas sim na escola. Nesse livro Ana aprende ser mais adulta e confiante e Christian finalmente revela seus segredos, algo que me deixou um pouco chocada e me fez pensar o porque de tantas mulheres quererem um homem igual a ele (PELOAMORDEDEUS! O cara é doente), mas gostei do crescimento do relacionamento dos dois, mesmo achando que tudo aconteceu muito rápido (em menos de 1 mês).
No quesito E.L. James tenho elogios e críticas:

1.      O livro continua não sendo uma obra de arte já que a autora é muito repetitiva, trocou a deusa interior pelo inconsciente da Srta. Steele.

2.      A autora repetiu umas 30 vezes a expressão "UAU", todos os personagens falaram pelo menos uma vez.

3.      Graças aos deuses dos escritores e leitores, James parou de descrever todas as cenas de sexo e repetir que ele abriu a camisinha (mas não foi totalmente).

4.      Gostei muito de todos os acontecimentos, ela conseguiu fazer 4 situações surpreendentes em um livro, mal me recuperava de um susto vinha outro. Achei que isso manteve o livro animado e interessante.

Achei esse segundo livro melhor, mas senti falta das características iniciais do Sr. Grey, ele ficou muito cachorrinho perdendo seu charme de ser maníaco por controle. As poucas vezes que ele resolveu ser controlador achei desnecessárias, machismo imperou. No mais a história tomou um rumo não muito surpreendente, principalmente pra quem já leu Crepúsculo e sabe como foi o desfecho da história de Edward e Bella. 

Tenha uma boa leitura!
Até o próximo post!

19 setembro 2012

Resenha: A mulher do viajante do tempo

Resolvi ler esse livro do nada e ainda bem que fiz isso, foi um dos livros mais bonitos que eu já li na minha vida.


Henry sofre um distúrbio genético que o faz viajar no tempo. As viagens ocorrem quando ele passa por momentos estressantes, e ele não tem controle sobre elas, ele sempre vai ou volta a momentos emocionalmente importantes da sua vida tanto no passado como no futuro. Em uma de suas viagens Henry conhece Clare uma garotinha que no futuro será sua esposa. Os dois começam a vivenciar um relacionamento em que Clare tem que lidar com as constante ausência de seu amado.

O livro de Audrey Niffegger demonstra muito bem como o amor pode ser o fio de sustentação de um relacionamento difícil. Clare e Henry não só lidam com os problemas naturais de uma relação, mas ainda tem que suportar a inconstância do tempo. O amor dos dois é tão bonito que chega a fazer o coração doer, já que vemos que aquilo tudo é apenas uma criação da imaginação.

Com toda certeza esse livro vai entrar para a lista de livros favoritos, Audrey Niffenegger me fez chorar como a muito tempo eu não chorava lendo um livro.

O livro tem uma adaptação cinematográfica, que se aproxima bastante dele e que foi nomeado no Brasil de  "Te amarei pra sempre", aconselho todos a vê-lo também.



Tenha uma boa leitura e um bom filme!
Até o próximo post!






Copyright © 2014 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo