27 abril 2015

Resenha: Dias Perfeitos

Pensa em um livro em que a personagem principal comete as maiores atrocidades, mas acredita piamente
que o que faz é o correto. E que ele chega a fazer coisas que você tem vontade de abandonar a leitura, porque aquilo é muito assustador e nojento. Esse é "Dias Perfeitos", do autor brasileiro Raphael Fontes.


Sinopse: "Téo é um solitário estudante de medicina que divide seu tempo entre cuidar da mãe paraplégica e examinar cadáveres nas aulas de anatomia. Durante uma festa, ele conhece Clarice, uma jovem de espírito livre que sonha tornar-se roteirista de cinema. Ela está escrevendo um road movie sobre três amigas que viajam em busca de novas experiências. Obcecado por Clarice, Téo quer dissecar a rebeldia daquela menina. Começa, então, uma aproximação doentia que o leva a tomar uma atitude extrema. Passando por cenários oníricos, que incluem um chalé em Teresópolis e uma praia deserta em Ilha Grande, o casal estabelece uma rotina insólita, repleta de tortura psicológica e sordidez."

A minha saga por autores brasileiros maravilhosos continua em 2015 e foi assim que eu descobri Raphael Montes, um autor que eu não fazia a miníma ideia sobre o que escrevia, mas que foi só começar a ler o livro dele para imaginar duas coisas: Ou Raphael é muito maluco ou ele tem uma imaginação muito assustadora, não escolhi qual seguir, mas de uma coisa eu tenho certeza ele escreve muito bem.

Adoro estórias de psicopatas e "Em Dias Perfeitos" temos um da espécie. O livro conta a estória de Téo, um estudante de medicina,  que não nutre sentimentos por ninguém, mas se vê "apaixonado" por Clarice. O problema é que ele é obcecado e começa a seguir a garota, para descobrir seus gostos, lugar onde mora, estuda e seus amigos. E o pior não é ele ser stalker, o pior é Téo achar que seu comportamento é o mais normal de todos. E não para por aí, o cara faz algumas coisas assustadoras e tudo sem planejar, é como se aquilo fosse algo natural dele.

Téo é o narrador de "Dias Perfeitos" e sempre enxergamos através dele o que se passa. Por isso não temos uma imagem concreta das outras personagens, porque ele não se importa em detalhar muito sobre elas, a única que ele dá mais características é Clarice, mas não dá pra saber se é real ou apenas fruto da mente doentia dele. 

A estória já começa nos dando uma dica de que Téo é estranho, mas aos poucos o autor vai nos revelando um ser cruel, frio e assustador. E o enredo vai se desenrolando e a cada capítulo mais coisas horríveis vão acontecendo e tudo aquilo se torna muito surreal. Criei várias teorias de que rumos a ela ia tomar, mas a cada página havia uma reviravolta e eu tinha que pensar em um novo desfecho. Mas nada do que eu pensei me preparou para os acontecimentos finais da estória.

Eu gostei do livro até as últimas páginas, mas quando chegou o final foi difícil absorver aquilo tudo. Na verdade eu fiquei revoltada com o final, não aceitei a maneira como o autor fechou o livro, mas posso dizer que foi algo inesperado. Mesmo não gostando do fim de Téo, já quero ler outros livros do Raphael Montes, porque adorei a maneira como ele escreve e virei fã do cara. Para quem gosta de trillers precisa ler "Dias Perfeitos' o mais depressa possível.

Até o próximo post!


24 abril 2015

10 Clássicos da Literatura

Ontem foi o Dia do Livro e eu queria ter postado essa lita ontem, mas por motivos de falta de tempo não consegui escrever o post. Mas já faz um tempo que quero falar sobre isso, então achei a data oportuna.

Sempre fui uma devoradora de livros e desde novinha lia de tudo, de Machado de Assis a J.K Rownling, mas nos últimos tempos acabei lendo em grande parte do tempo apenas best-sellers e deixando os clássicos de lado. Então andei refletindo e percebi que eu, com meus 24 anos, preciso alçar novos vôos e começar a ler literatura clássica com mais frequência. Então fiz uma lista de 10 livros clássicos que eu quero muito ler.

10) As Ligações Perigosas - Choderlos de Laclos


Sinopse: "Durante alguns meses, um grupo peculiar da nobreza francesa troca cartas secretamente. No centro da intriga está o libertino visconde de Valmont, que tenta conquistar a presidenta de Tourvel, e a dissimulada marquesa de Merteuil, suposta confidente da jovem Cécile, a quem ela tenta convencer a se entregar a outro homem antes de se casar."

Dese quando assisti segundas intenções e descobri que o filme foi inspirado neste livro, fiquei desesperada para ler. Adoro livros que são escritos através de cartas e esse jogo de intrigas também é a minha cara.

9) Mrs Dalloway - Virgínia Wolf


Sinopse: "A I Grande Guerra terminou, o calor do Verão invade Londres e Clarissa, Mrs. Dalloway, prepara-se para dar uma das suas festas. Mas quando a noite se aproxima, a chegada de Peter Walsh, o seu primeiro amor regressado da Índia, vai despertar o passado, trazendo-lhe à memória os sonhos adolescentes e a discussão que muitos anos antes a precipitou num casamento sem fulgor. De súbito, Clarissa tem consciência da força da vida em seu redor, de Peter inalterado e contudo diverso, e da sua filha Elizabeth que se está a tornar uma mulher. "

Quando assisti "As horas" me apaixonei por Virgínia Wolf e fiquei muito interessada em ler seus livros. Recentemente li "Por Lugares Incríveis" e no livro há várias citações dos livros da Virgínia, aguçou mais ainda minha vontade de ler suas obras.

8) Metamorfose - Fraz Kafka


Sinopse: "Sem a menor cerimônia, o texto coloca o leitor diante de um caixeiro viajante - o famoso Gregor Samsa - transformado em inseto monstruoso. A partir daí, a história é narrada com um realismo inesperado que associa o inverossímil e o senso de humor ao que é trágico, grotesco e cruel na condição humana - tudo no estilo transparente e perfeito desse mestre inconfundível da ficção universal."


Meu pai leu "A Metamorfose" e sempre fala que o livro é ótimo. Tenho certeza que irei ter sérios problemas para ler pelo quesito inseto, mas adoro livro que utiliza de metáforas para falar de temas polêmicos e acredito que seja o caso deste livro, pelo pouco que já li e ouvi dele.

7) Crime e Castigo - Fiódor Dostoiévki


Sinopse: "Raskólhnikov é um jovem pobre, ex-estudante da universidade, que vive nos bairros marginais de São Petersburgo. Dono de uma mente febril - como todos os grandes personagens de Dosoiévski (1821-1881) -, convence a si próprio que, deveido à sua extrema miséria, está isento de qualquer lei moral. Porém, quando resolve colocar a teoria à prova, as coisas não saem como o esperado, e ele sofre miseravelmente. Crime e castigo, parece dizer o romance, são duas faces da mesma moeda, duas realidade indissociáveis que brotam da mesma semente."

Sempre vejo as pessoas elogiando "Crime e Castigo", na verdade as pessoas sempre elogiam Dostoiévski, então quero muito descobri o que há de tão incrível no escritor russo.

6) O Evangelho Segundo Jesus Cristo - José Saramago


Sinopse: "Menos interessado na onipotência do divino que na frágil mas tenaz resistência do humano, Saramago reconta de forma irônica e crítica uma das histórias mais conhecidas no ocidente, dotando-a de corpo, cheiro, sensações, ambiguidades e novos significados recônditos."

Adoro quando autores mostram histórias muito conhecidas por outro ponto de vista e tenho certeza de que vou adorar "O Evangelho Segundo Jesus Cristo", porque sempre acreditei na humanidade de Jesus Cristo.

5) O Amor nos Tempos de Cólera - Gabriel Garcia Marques


Sinopse: "Um homem se apaixona pela trança de uma menina de família. O idílio dura algumas cartas, mas ao conhecer seu admirador, a moça rejeita-o e casa com outro. O amor, porém, persiste e dura a vida inteira."


Conheci Gabriel Garcia Marques através de um tio, que me deu de presente "Cem Anos de Solidão", e desde aí sempre quis ler outros livros do autor, já que fiquei encantada pela sua literatura fantástica.

4) O Apanhador no Campo de Centeio - J. D. Salinger


Sinopse: "Um fim-de-semana na vida de Holden Caulfield, jovem de 16 anos vindo de uma família abastada de Nova York. Holden, estudante de um reputado internato para rapazes, volta para casa mais cedo no inverno depois de ter recebido más notas em quase todas as matérias e ter sido expulso. No regresso a casa, decide fazer um périplo adiando assim o confronto com a família. Holden vai refletindo sobre a sua curta vida, repassa sua peculiar visão de mundo e tenta definir alguma diretriz para seu futuro. Antes de enfrentar os pais, procura algumas pessoas importantes para si (um professor, uma antiga namorada, a sua irmãzinha) e tenta explicar-lhes a confusão que passa pela sua cabeça. Foi este livro que criou a cultura-jovem, pois na época em que foi escrito, a adolescência era apenas considerada uma passagem entre a juventudade e a fase adulta, que não tinha importância. Mas esse livro mostrou o valor da adolescência, mostrando como os adolescentes pensam."

Outro da lista que todo mundo elogia e eu ficou louca para descobrir se também vou virar fã. A estória me interessa bastante e tenho a impressão que vou ficar extremamente mexida com "O Apanhador do Campo de Centeio".

3) Persuasão - Jane Austen


Sinopse: "Anne Elliot, filha de Sir Walter Elliot, um vaidoso e esnobe baronete. No passado, Anne apaixonara-se por Frederick Wentworth, que, embora belo, inteligente e ambicioso, não tinha tradições ou conexões familiares importantes - e assim Anne fora persuadida pela família a romper com ele. Em 1815, momento em que se passam os eventos narrados no livro, a boa, generosa e sensível Anne Elliot continua solteira, mas agora, aos 27 anos, pensa com mais autonomia e maturidade. Agora, também, a situação financeira de Sir Walter Elliot é desfavorável, e ele se vê obrigado a alugar a propriedade da família. Por força do destino, o novo ocupante da residência é cunhado de Wentworth. Quase oito anos após o rompimento, Anne se verá novamente convivendo com seu grande amor, agora um capitão da Marinha, e reflexões, conjunturas e arrependimentos serão inevitáveis. Anne e Frederick se redescobrem apaixonados, e renovam o compromisso de casamento."

Jane Austen é uma das autora responsáveis pelo um dos livros que eu mais gosto, "Orgulho e Preconceito", já li dois livros dela e quero ler todos os outros, mas "Persuasão" é um dos que a sinopse mais me interessou.

2) Anna Kariênina - Liev Tolstói


Sinopse:"Anna Karênina - Ana Karenina é um romance cujo foco principal é a história de adultério de uma mulher em plena Rússia do século XIX. Um longo romance, de quase 900 páginas, mas que está muito longe de se resumir a um drama passional. A sociedade russa de então, representada por diversos personagens ao longo do romance, é devidamente caracterizada, a nível da estrutura de relações que existiam entre as várias classes sociais, da hierarquia de poderes, e das questões pertinentes que se colocavam para o futuro da Rússia, com uma forte comparação com a evolução da Europa."

Assisti a adaptação cinematográfica com a Keira Knightly e fiquei encantada com a estória de "Anna Kariênina", desde aí queria ler o livro.

1) Os Miseráveis - Victor Hugo


Sinopse: "Esta obra é uma poderosa denúncia a todos os tipos de injustiça humana. Narra a emocionante história de Jean Valjean — o homem que, por ter roubado um pão, é condenado a dezenove anos de prisão. Os miseráveis é um livro inquietantemente religioso e político."


Quando assisti a adaptação de 2012, me apaixonei pela estória de "Os Miseráveis", tenho certeza que quando eu ler vai se tornar um dos meus queridinhos.

Essa é a minha lista de clássicos, que eu percebi não tem nenhum autor brasileiro, mas não foi algo de propósito, simplesmente quando fui pensando nos livros para a lista  foram esses que surgiram. Espero começar a eliminar livros desta lista logo, talvez este ano mesmo me dedique mais a ler os clássicos (eu espero).

Até o próximo post!

20 abril 2015

Resenha: Harry Potter e a Pedra Filosofal

Sempre quis reler Harry Potter, mas sempre tive dois problemas com essa vontade, um era o fato de ter muita dificuldade em encontrar "A Pedra Filosofal" para comprar, e outro era o medo de ler depois de velha e a estória perder toda a magia que tinha a 12 anos atrás. Mas certo dia entrei na FNAC e encontrei todas os livros, sem ser edição econômica, em promoção. Então chegou o momento de falar sobre uma das estórias que mais marcaram a minha vida.


Sinopse: "Harry Potter é um garoto comum que vive num armário debaixo da escada da casa de seus tios. Sua vida muda quando ele é resgatado por uma coruja e levado para a Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts. Lá ele descobre tudo sobre a misteriosa morte de seus pais, aprende a jogar quadribol e enfrente, num duelo, o cruel Voldemort."

Entendam que o meu receio de reler essa estória, terminou assim que abri a a primeira página do livro. Foi como se tudo que eu senti quando tinha apenas 12 anos estivesse de volta. A primeira coisa que eu percebi foi a qualidade em criar uma estória bem amarrada, que a J.K Rownling tem. A autora é uma contadora de estórias nata. A maneira como ela escreve é simples, deliciosa e de qualidade, você consegue devorar o livro em pouco tempo. Ela tem a capacidade de conseguir terminar uma estória em um livro que faz parte de uma série, você nunca terminará um livro dela sem um fechamento.

"Harry Potter e a Pedra Filosofal" é o primeiro de sete livros, como já é de se esperar temos muitas explicações, estamos sendo inseridos a um novo universo, então é esperado que tenhamos esta introdução. Gosto que nós vamos descobrindo tudo junto com Harry, que também não sabe de nada daquele novo mundo, ele também precisa de explicações, o que torna tudo menos técnico.

Para quem tem dificuldades em guardar nomes "Harry Potter" pode ser um problema, porque temos diversos personagens todos com nomes diferentes e seus sobrenomes, mas se você tem uma boa memória vai se acostumar logo com todas aquelas pessoas.

Em "A Pedra Filosofal" temos um mistério e um problema a ser resolvido, gosto que vamos tendo pistas do que está acontecendo, até chegarmos ao clímax. E o clímax é algo totalmente inesperado, que vai deixar o novo leitor de boca aberta.

Gosto muito da maneira como J.K dosa bem os momentos de tensão e humor, na verdade acho o livro muito divertido, me peguei em vários momentos rindo feito uma louca para o livro. É um livro cheio de momentos de humor, aventura e tensão.

Mas o que eu mais gosto nessa estória são as personagens, é impossível não se encantar por todos e querer conviver com eles. São todos tão reais, temos crianças como qualquer outras, que tem problemas, preocupações e curiosidades normais, mas que podem fazer mágica. É como um sonho realizado, ser uma criança que pode voar, transformar as coisas e invocar outras.

J.K e Harry Potter não são um sucesso atemporal atoa, eles tem tudo. Uma série que é bem construída, divertida, envolvente e mágica. Se você ainda não leu e não descobriu o mundo bruxo, está perdendo o tempo de fazer parte de algo maravilhoso, porque Harry Potter é mais do que uma estória para crianças.


Até o próximo post!

16 abril 2015

Dorama: Lie To Me

Tem muito tempo que não exibo meu lado otaku aqui no blog, por isso hoje vamos falar sobre meu vício mais recente: Doramas. Eu não assisti muitos doramas, mas recentemente (nem tão recente assim) eu assisti o k-drama "Lie to Me" na Netflix (sim, temos drama japonês), e gente, não tem coisa mais engraçada.

Sinopse: "Uma funcionária animada do Ministério da Cultura se envolve em uma rede mentiras ao dizer que é casada com um gerente de hotel rico e charmoso."

A estória começa quando Gong Ah Jung, funcionária do Ministério da Cultura, cansada de ser ridicularizada pela amiga FDP, por ser solteira, inventa que é casada e devido a um mal entendido a tal amiga acha que ela é casada do Hyun Ki Joon, presidente de uma rede de hotéis. Os dois são totalmente diferentes, Gong Ah Jung é toda atrapalhada e sempre se envolve em confusão, já Hyyn Ki Joon é sério e muito controlador, mas quando os dois se juntam tudo dá errado e é muuuuuiiiitooo engraçado.



O K-Drama se desenrola com os dois tentando sustentar essa mentira, cada um com seu motivo. Mas acaba que os dois acabam gostando um do outro, mas tudo dá sempre errado e eles não conseguem ficar juntos. Primeiro o irmão, depois uma ex-noiva, o governo, fofocas, a amiga.



Adoro as personagens principais e os secundários, sempre me divertia com o pai da Gong Ah Jung, o secretario do Hyun Ki Joon, a amiga FDP, o cozinheiro do restaurante e a tia do Hyun Ki Joon. Mas pra mim não tinha coisa melhor que as cenas do Hyun Ki Joon e do pai da Go Ah Jung, era hilário, quando eles faziam competições.



O K-drama também é fofo e triste em alguns momentos, dá muita peninha da Ah Jung, que sempre se ferra em tudo. Mas você fica super feliz quando vê que Ki Joon gosta dela de verdade e faz tudo para conquistar essa doidinha.



Esse drama é um pouco diferente que os outro, porque ele é cheio de beijos, e são beijões, bem diferente de toda aquela enrolação dos outros, em que o casal custa a dar um beijo e quando beija é apenas um selinho. O primeiro beijo não demora muito acontecer e é numa cena bem engraçadinha.



"Li to me" é engraçada, divertida, romântica e super vale a pena assistir, juro que seus dias vão ser cheios de risadas depois de assistir um episódio dele.


Até o próximo post!

13 abril 2015

Resenha: Por Lugares Incríveis

E tem momentos na nossa vida que nada que lemos nos toca de verdade, são apenas livros bem escritos que nos fazem passar o tempo, mas quando uma estória é capaz de mudar a sua visão e opinião sobre algo, é como se todas as leituras que você já fez não valessem nada até aquele momento. E foi assim que me senti quando li a última frase de "Por Lugares Incríveis", da Jennifer Niven.



Sinopse: "Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, Violet se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família.
Enquanto Violet conta os dias para o fim das aulas, quando poderá ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante. Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, encontra Violet, também prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia: visitar os lugares incríveis do estado onde moram. Nessas andanças, Finch encontra em Violet alguém com quem finalmente pode ser ele mesmo, e a garota para de contar os dias e passa a vivê-los."

A primeira coisa que você precisa saber sobre "Por Lugares Incríveis" é que nenhuma resenha, vídeo ou comentário vai conseguir dizer o quão maravilhosa é a estória deste livro. Então por mais que eu queira escrever o quanto ele é incrível, não sei se vou conseguir, mas entendam que essa estória foi uma das que mais mexeram com a minha cabeça e meu coração. Acabei de ler tem uma hora, e ainda não consegui absorver tudo que eu li naquelas páginas.

Esse é o livro de estreia da autora, Jennifer Niven, e eu fiquei muito impressionada com o talento dela, o livro é muito bem escrito e a maneira como ela transforma sentimentos em palavras é muito mágico. Logo nas primeiras páginas você é arrebatado pelas palavras  e é como se estivesse dentro daquela estória, como se estivesse dentro dos corpos das personagens, em suas mentes e quando assusta já está tão envolvido que começa a sentir a tristeza de tudo que acontece.

A temática do livro é bem complicada, falar sobre morte, sobre os sentimentos de uma pessoa que quer acabar com sua própria vida é algo muito complicado. Principalmente, porque os suicidas não são vistos com bons olhos. Mas Jennifer conseguiu falar sobre o assunto com delicadeza e conseguiu mudar a minha ideia de que um suicida é uma  pessoa egoísta. Acho que isso acontece, porque temos Theodore Finch na estória, uma garoto excêntrico que é visto como aberração por todos, que não se acha digno de amor, que é inteligente, cativante, intenso, apaixonante e com tendências suicidas. Eu que sempre encarei essas pessoas egoístas, só queria que alguém enxergasse o Finch e o salvasse de si mesmo. E foi assim que minha visão mudou e tudo passou a fazer mais sentido.

Finch, Finch, Finch, daqueles personagens que dá vontade de tirar do livro e cuidar dele. Me apaixonei por ele logo nas primeiras páginas, claro, que no começo ele é meio stalker, mas nada muito assustador. E ´para ser par dele temos Violet, a menina um pouco apagadinha perto de todo brilho do garoto, mas que precisava ser salva, que precisava sair da tristeza e conhecer lugares e pessoas incríveis. Adorei a maneira com que a autora criou as personagens, pena que com esse dois, não tivemos espaço para saber sobre as outras personagens. Na verdade acho que isso poderia me fazer entender como a família de Finch não quis ver que ele precisava de ajuda, ou até mesmo Violet, porque ela não viu que precisava salvá-lo.

O enredo do livro é muito bom, gostei que ela fugiu da estória óbvia . Mas em alguns momentos tive a sensação de reconhecer algumas outras estórias, principalmente, de "Cidades de Papel" e de "As Vantagens de Ser Invisível", mas nada que incomodasse demais. 

Agora tem uma coisa que me incomodou demais foi a revisão do livro, MEUDEUS, tinha erros gritantes. A editora seguinte tem que ter mais cuidado com isso, fica muito feio um livro com erros.

Tirando esse problema o livro está impecável, amei muito e terminei a estória triste e cheia de lágrimas, mas feliz com o rumo real que o enredo tomou. Não sei porque não vi muita comoção a respeito deste livro, mas espero começar a comoção, porque acho que "Por Lugares Incríveis" é leitura obrigatória para todos, afinal, você pode conhecer alguém que precise de ajuda e não percebeu.

Até o próximo post!

06 abril 2015

Resenha: Battle Royale

E no meio de um bilhão de distopias nenhuma havia me feito ser uma fã fervorosa do estilo, a não ser é claro "V de Vingança". Mas a minha paixão por distopias foi acesa no momento em que Quentin Tarantino fez a indicação literária do ano, porque um cara como ele deve ser levado em conta. Foi assim que eu descobri o maravilhoso "Battle Royale".


Sinopse: "Battle Royale é um thriller de alta octanagem sobre violência juvenil em um mundo distópico, além de ser um dos best-sellers japoneses e mais polêmico entre os romances. Como parte de um programa implacável pelo governo totalitário, os alunos do nono ano são levados para uma pequena ilha isolada e recebem um mapa, comida e várias armas. Forçados a usarem coleiras especiais, que explodem quando eles quebram uma regra, eles devem lutar entre si por três dias até que apenas um "vencedor" sobreviva. O jogo de eliminação se torna a principal atração televisiva de reality shows. Esse clássico japonês é uma alegoria potente do que significa ser jovem e sobreviver no mundo de hoje. O primeiro romance do jornalista Koushun Takami, tornou-se um filme ainda mais notório pelo diretor de 70 anos de idade, Kinji Fukusaku."

Em 1999, anos antes de Suzanne Collins criar sua Panen, no Japão era lançado o gigantesco Battle Royale, que se tornou um dos mais vendidos do país em pouco tempo. Mas infelizmente tivemos que esperar 15 anos para que essa estória viesse para o Brasil. E infelizmente ela não teve tanto destaque, porque ela foi publicada aqui em um momento em que estamos todos saturados de distopias, mas posso afirmar que essa vai ser uma das melhores que você vai ler.

Primeira coisa que preciso dizer é que a diagramação do livro está maravilhosa. A capa que a Globo Livros produziu é uma das mais bonitas que já via, ela é cheia de detalhes em alto relevo e minimalista ao mesmo tempo. Segundo preciso elogiar o autor, Koushun Takami, que fez uma obra complexa em apenas um volume, porque eu não sei vocês, mas estou de saco cheio dessas sagas, séries e trilogias.

Battle Royale não é um livro com muitas explicações sobre o governo, nós sabemos como é o governo pela visão das personagens e como as próprias não tem muita ideia de como chegaram até aquele sistema ou qual é a verdadeira face de tudo aquilo, temos uma visão muito rasa. Temos várias especulações e suposições ao longo da estória, mas nada muito concreto. Eu não me incomodei com isso, achei na verdade interessante como o autor utilizou isso para criar o mistério sobre a Grande Ásia.

Gostei muito das personagens de Koushun Takami. Gostei da maneira com que ele se aprofundou no passado de cada uma, para contar o porque delas serem o que são. Minhas duas personagens preferidas são o Shogo Kawada e a Mitsuko Soma, que são muito opostos mas me encantaram na mesma proporção.

O livro é cheio de ação e violência, mas nada muito assustador, acho que apenas uma das mortes me deu um pouco de aflição em sua descrição, mas em suas 600 e poucas páginas não tem nada muito repulsivo.

Adorei o livro e ele se tornou minha distopia preferida, mas teve um ponto que achei negativo, os capítulos do Shinji Mimura eram muito extensos e chatos, ele ficava explicando como hackear e criar uma bomba, achei bem chato, mas o seu final compensou toda essa chatice.

Adorei o final do livro, mesmo sendo um pouco previsível, mas como tudo foi construído até chegarmos ao fechamento da estória, foi surpreendente e incrível, valeu totalmente a leitura.

Não quero entrar na discussão se "Jogos Vorazes" foi ou não foi inspirado em "Battle Royale", mas é inegável que temos muitas semelhanças da trilogia norte americana com a obra asiática. Eu particularmente, gostei muito mais de "Battle Royale", porque não temos aquele final de princesa da Disney, mas nem por isso deixei de gostar de "Jogos Vorazes". Afinal, não preciso amar um e odiar o outro.

Até o próximo post!

05 abril 2015

Playlist de Março

E o mês de março de 2015 acabou então chegou a hora de fazer a playlist do mês. Esse mês eu vivi uma relação profunda com algumas músicas. Então vamos a seleção de músicas.


Comecei o mês viciada na música que ganhou o Oscar desse ano, "Glory", trilha sonora do filme "Selma". Gente essa música merecia 50 Oscars, que coisa maravilhosa.

Common, John Legend - Glory


Para variar esse mês me apeguei  a mais uma música do Calvin Harris, dessa vez a queridinha foi "Blame", porque me dá vontade de dançar.

Calvin Harris - Blame feat John Newman


No dia das mulheres a Multishow passou o último show da turnê On the Run, do Jay Z e da Beyoncé, e como eu sou apaixonada pelos dois, foi impossível não me apaixonar por duas músicas, a primeira é o medley de Young Forever e Halo, que foi uma apresentação de emocionar qualquer um. A segunda foi "Resentment", MEUDEUS! o que a Beyoncé é performática e sensacional, cantando essa música, sem base.

Jay Z feat Beyoncé - Young Forever/Halo


Beyoncé - Resentment


Pra variar mais uma vez, temos Sia e trilha sonora de Cinquenta Tons, mas é impossível não se encantar com "Salted Wound".
Sia - Salted Wound


Gente adoro a mini Mariah Carey, Ariana Grande, adoro o jeito que ela canta e essa parceria dela com o The Weeknd ficou perfeita. Impossível não cantarolar "Love me Harder".

Ariana Grande, The Weeknd - Love Me Harder 


Desses DJ novos eu gosto muito do Zedd, recentemente ele fez um música com a Selena Gomez, que é uma das garotas Disney que eu mais gosto da voz, sempre achei que ela tinha jeito com música eletrônica. A música é muito viciante.

Zedd - I Want You To Know feat Selena Gomez


Desde sempre eu escuto Florence and The Machine, adoro todas as músicas. Recentemente eles lançaram um CD novo que está maravilhoso. A minha queridinha deste mês é a IN-CRÍ-VEL "What Kind of Man", que tenho certeza vai ser minha preferida da vida, porque ela é visceral e tem uma batida que mexe com a minha alma.

Florence and The Machine - What Kind of Man


Ainda na vibe de Florence, descobri a trilha de "Branca de Neve e o Caçador" e me apaixonei por "Breath of Life".

Florence and The Machine - Breath of Life


Eu já falei que adoro música clássica e  tem época que eu escuto muita música nesse estilo. Recentemente fiquei apaixonada por "Requiem" do Mozart e não parei de escutar até hoje.

Mozart - Requiem


Tiago Iorc - What a Wonderful World

Escuto Tiago Iorc a muito tempo, acho que desde  2005, e sempre fui muito fã das músicas dele. Ele está cantando uma versão de "What a Wonderful World" na abertura da nova novela das seis, que é linda demais por sinal, e eu cai de amores por ele de novo.


Mês de março foi bem eclético, deu pra perceber, né?! Acho que abril vai ser mais mortinho, porque não estou tendo tempo de escutar muita música.

Até o próximo post!

Copyright © 2014 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo