26 junho 2017

Resenha: Casos de Família - Arquivos Richthofen e Arquivos Nardoni

Sinopse: "O assassinato do casal Richthofen e de Isabella Nardoni foram reunidos em um só livro e trazem novos detalhes observados por quem estava nos bastidores. A criminóloga Ilana Casoy, em CASOS DE FAMÍLIA: ARQUIVOS RICHTHOFEN E ARQUIVOS NARDONI, abre pela primeira vez seus cadernos de anotações utilizados durante a pesquisa na Polícia Civil, Científica e Ministério Público dos dois crimes, tudo isso com a qualidade quase psicopata de edição, uma marca registrada de todos os títulos da DarkSide® Books.
A pedido da editora, Ilana Casoy mergulhou em suas anotações particulares que está de volta com mais uma luxuosa reedição de suas obras, incluindo os inéditos fac-símiles de seus cadernos secretos. Primeira autora nacional da DarkSide®, Ilana traz para seus leitores o mistério desvendado de comentários originais dela mesma no desenrolar dos acontecimentos e descobertas. Além de acompanhar passo a passo o rumo das investigações e julgamento dos assassinos que romperam a linha da lei e do sagrado, os sentimentos e dúvidas da autora ficam agora expostos ao público.
Em “Arquivos Richthofen” o leitor vai acompanhar o comportamento dos três assassinos — as contradições e os erros decisivos; a distância de Suzane ao relatar os fatos, o descontrole de seu namorado Daniel na reprodução simulada do crime, os depoimentos e técnicas de investigação da polícia, dos médicos legistas, peritos e especialistas, que não deixaram outra alternativa aos culpados que confessar os assassinatos brutais. A grande novidade fica por conta da transcrição inédita do emblemático debate entre acusação e defesa, com o objetivo de oferecer os detalhes do julgamento nunca publicados.
Em “Arquivos Nardoni” o mergulho é em um dos casos criminais mais polêmicos já ocorridos no Brasil, que contou com um qualificado trabalho da polícia técnico-científica — única “testemunha” do crime. Ilana reconstrói os cinco dias do julgamento de Alexandre Nardoni e Ana Carolina Jatobá, pai e madrasta de Isabella de Oliveira Nardoni, condenados pelo assassinato dela. A autora foi colaboradora do Ministério Público, que, com a ausência da confissão dos réus, trabalhou com provas periciais irrefutáveis para confrontar a versão do casal no tribunal do júri."

Casos de Família vai abordar dois crimes em família que chocaram o Brasil. O primeiro é o da família Von Richthofen, que foi assassinada pela filha mais velha, o namorado e o cunhado. O segundo é o caso de Alexandre Nardoni e sua esposa, que jogaram a menina Isabella pela janela do apartamento em que moravam. Cada qual abordado de uma maneira diferente, porém os dois possuem anotações originais de Ilana Casoy enquanto acompanhava o desdobramentos desses crimes.

Os Arquivos Richthofen são divididos em dois momento, o primeiro vai contar desde o crime até o momento da confissão dos responsáveis. O segundo vai ser a transcrição dos debates finais do julgamento de Suzane e dos irmãos Cravinhos. A primeira fluí bem rápida com a narração da própria Ilana, que tem uma escrita muito boa e de fácil compreensão. Já a segunda parte tem um ritmo mais lento, afinal, são as falas dos advogados e como eles falam. Pra mim foi o único momento em que a leitura foi mais arrastada. Além das anotações da Ilana a editora também colocou imagens da reconstituição do crime.

Os Arquivos Nardoni vão ser o relato da Ilana Casoy dos dias de julgamento do casal Alexandre Nardoni e Ana Carolina Jatobá. A leitura fluí muito melhor nesta segunda parte, porque como disse a escrita da autora é muito envolvente, parecia até que eu estava naquele tribunal assistindo as mentiras do casal Nardoni. Ilana descreveu tudo que acontecia no local com maestria, que em alguns momentos tinha impressão de que aquilo tudo não era real e sim um filme.

Casos de Família é um livro para quem gosta da temática Crime Scene, cheio de detalhes e bem cru. Não é uma leitura fácil, apesar da escrita fluída da Ilana Casoy, a temática é pesada e assusta ver o quanto o ser humano é cruel e imprevisível. Em vários momentos me indignava com a frieza de Suzane ou com a falsidade dos Nardoni. Mas apesar disso foi uma leitura muito esclarecedora e cheia de informações. Aprovadíssimo! DarSide Books já pode lançar mais livros da Ilana.

Até o próximo post!

18 junho 2017

Harry Styles Book TAG



  1. Carolina: Um livro que tenha um casal que você shippou desde o começo
  1. From the Dining Table: Um livro melancólico a ponto de te deixar triste
  1. Two Ghosts: Um casal literário que você nunca vai superar, independente deles terem terminado juntos ou não
  1. Woman: Um livro que tenha muita representatividade feminina
  1. Sign Of The Times: Um livro que seja o primeiro do autor/autora e você já se apaixonou pela escrita
  1. Only Angel: Uma personagem porra louca que você ama
  1. Sweet Creature: Um autor ou autora que você sempre volta a ler quando quer sair da ressaca literária


 Até o próximo post!

13 junho 2017

Resenha: Ladrões de Sonhos

Sinopse: "Ladrões de sonhos, o segundo volume da Saga dos Corvos, traz de volta a imaginação selvagem e as reviravoltas eletrizantes que somente uma autora original como Maggie Stiefvater é capaz de criar.

Ao lado de Blue, os garotos corvos — o privilegiado Gansey, o torturado Adam, o espectral Noah e o sombrio e perigoso Ronan — continuam sua busca pelo lendário rei galês Glendower. Mas suas explorações enfrentam um duro contratempo conforme segredos, sonhos e pesadelos começam a enfraquecer a linha ley — um canal invisível de energia que conecta lugares sagrados e que pode levá-los até o rei.
Será por isso que a floresta mística de Cabeswater sumiu inexplicavelmente? Quem é o misterioso Homem Cinzento e por que ele está procurando o Greywaren, uma relíquia que permite tirar objetos de sonhos? E o que isso tem a ver com o indecifrável Ronan?
Conforme Blue e os garotos corvos procuram respostas a essas e outras questões, o perigo que os envolve se torna cada vez mais real, e será preciso apostar todas as fichas nessa aventura enigmática."

Eu demorei três anos para ler o segundo livro da Saga dos Corvos da Maggie Stiefvater, por dois motivos, o primeiro dele são os preços desses livros que estão um pouco salgado e segundo porque não havia gostado muito do primeiro livro "Os Garotos Corvos". Mas por que eu não gostei do livro anterior? Acho que o principal motivo é a maldição do primeiro livro de fantasia, em que todo aquele universo tem que ser explicado e esse universo em especial era muito complexo para mim, então não peguei a magia da história e só fui me envolver com a história no final.

Depois de uma leitura bem fraca no primeiro livro, finalmente o estranhamento passou e eu consegui me encantar pela história da Saga dos Corvos, graças ao incrível "Ladrões de Sonhos" que me fez reviver a delícia de se ler um livro da Maggie Stiefvater. A autora consegue criar uma história diferente de tudo que a gente está acostumado no mundo dos young adults de fantasia, temos ali algo muito novo e tão mágico que é impossível não se encantar pelo universo. Neste segundo livro os mistérios envolvendo as linhas ley, Cabeswater e Glendower começam a fazer mais sentido. 

É preciso sempre exaltar as personagens dessa saga, que são bem diversas e cheias de camadas. E se na minha resenha anterior disse que gostei muito da Blue e do Gansey, nesse livro tudo foi confirmado e já torço desesperadamente por esse casal. Porém nesse livro passei a gostar de alguns outros personagens como Ronan Lynch, que ser maravilhoso, com uma história fantástica. Esses três me chamam a atenção, porém todos são incríveis, cheios de camadas e com personalidades tão diferentes um dos outros.

"Ladrões de Sonhos" revela muita coisa, porém temos ainda muitas pontas soltas na história, mas a autora já conseguiu me envolver com a trama de Henrietta, fazendo com que eu deseje ardentemente ler os próximos livros. Como é bom ver que Maggie Stiefvater nunca decepciona.

Até o próximo post!


05 junho 2017

Resenha: Antes que eu vá

Sinopse: "Samantha Kingston tem tudo: o namorado mais cobiçado do universo, três amigas fantásticas e todos os privilégios no colégio que frequenta: desde a melhor mesa do refeitório à vaga mais bem-posicionada do estacionamento. Aquela sexta-feira, 12 de fevereiro, que seria apenas mais um dia de sua vida mágica e perfeita, acaba sendo seu último — mas ela ganha uma segunda chance. Sete “segundas chances”, na verdade. Ao reviver aquele dia vezes seguidas, Samantha vai tentar desvendar o mistério que envolve a própria morte – e, finalmente, descobrir o verdadeiro valor de tudo o que está prestes a perder."

Sempre via "Antes que eu vá" a venda na livrarias e nunca me interessei, até porque a capa anterior era bem aterrorizante (julgo livro pela capa sim), mas quando saiu o primeiro filme da adaptação para o cinema fiquei bem interessada pela história da garota que sofre um acidente de carro e fica revivendo aquele dia, para poder entender o que fez de errado e o que precisa dar valor. Porém eu não esperava me incomodar tanto com um livro.

A primeira coisa que você precisa saber sobre "Antes que eu vá" é que é um livro sobre bullying, porém a personagem principal não é quem sofre com as "brincadeiras" e "implicâncias", ela é a causadora disso. Então já é de se esperar que ela não seja muito legal, afinal ela zomba, mau trata, aproveita e humilha as pessoas que não são tão populares. A garota aina é rodeada por amigas que deixariam Regina George e as poderosas no chinelo, com toda sua crueldade.  E isso foi um dos principais motivos de me irritar com esse livro, porque não me identificava com aquelas personagens, achava elas fúteis e não me importava com o que ia acontecer com cada uma. Porque autora tentando justificar as ações, aquelas garotas eram terríveis e sem nenhum motivo verdadeiro.

O livro vai mostrando as sete segundas chances de Samantha e em cada uma das vezes ela age de uma determinada maneira, mas pra mim no fundo ela sempre foi egoísta. Até mesmo quando ela resolve fazer o que era certo, ela resolve ficar com o cara incrível e perdoar as amigas babacas. E pra mim ela não se redimiu, ela causou tudo aquilo, junto com suas amigas bully. Claro que o livro  não é de todo ruim e durante uma de suas segundas chances você percebe que a Samantha se esforça para melhorar e se torna muito mais interessante, infelizmente isso acontece nas 50 últimas páginas, ou seja, pra mim a leitura foi em grande parte irritante.

Mesmo não tendo gostado de "Antes que eu vá" tem alguns pontos que me interessaram bastante como a lição de que muitas vezes você é conivente com situações ruins, simplesmente para não se tornar alvo, ou de que devemos dar valor as pessoas que nos amam e deixar de lado as aparências. Teve também três personagens que me conquistaram por serem Anna Cartullo, Kent e Izzy que não tem vergonha de quem são e dão de mil em Samantha e suas amiguinhas.

Infelizmente esse livro não funcionou pra mim, pode ser porque já fui alvo de bullying e não consigo sentir pena de quem expõe outras pessoas a humilhações, simplesmente porque é popular e o outro é diferente. Mas pode ser que funcione para você.

Até o próximo post!
Copyright © 2014 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo